RDBU| Repositório Digital da Biblioteca da Unisinos

A busca vs. o resguardo de informações acerca dos crimes em interrogatórios policiais : um olhar sob a perspectiva da fala-em-interação

Mostrar registro simples

Autor Konrad, Paola Gabriela;
Lattes do autor http://lattes.cnpq.br/0781344253689932;
Orientador Ostermann, Ana Cristina;
Lattes do orientador http://lattes.cnpq.br/8555609827722273;
Instituição Universidade do Vale do Rio dos Sinos;
Sigla da instituição Unisinos;
País da instituição Brasil;
Instituto/Departamento Escola da Indústria Criativa;
Idioma pt_BR;
Título A busca vs. o resguardo de informações acerca dos crimes em interrogatórios policiais : um olhar sob a perspectiva da fala-em-interação;
Resumo A prática de perguntar e de responder consiste em uma atividade trivial na vida das pessoas, seja na fala-em-interação mundana ou institucional. Nesta dissertação, analisam-se sequências de perguntas e respostas, bem como as consequências por elas ocasionadas, em um evento interacional de caráter institucional permeado pela prática de perguntar e de responder: o interrogatório policial. O objetivo consiste em investigar, por meio do arcabouço teórico-metodológico da Análise da Conversa de base etnometodológica (SACKS; SCHEGLOFF; JEFFERSON, 1974), como ocorre a busca vs. o resguardo de informações acerca dos crimes sob investigação em interrogatórios policiais de três Delegacias de Polícia do Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Propõe-se, de maneira específica, analisar e descrever as implicações interacionais: (1) dos formatos das perguntas utilizados pelos policiais investigadores na busca por informações concernentes aos crimes; e (2) dos recursos por meio dos quais os participantes dos interrogatórios resguardam informações acerca dos crimes sob investigação. O corpus deste estudo advém de gravações em áudio e/ou vídeo de dez interrogatórios policiais ocorridos em três Delegacias de Polícia Civil, entre abril de 2017 e janeiro de 2018. No que concerne à busca dos fatos dos crimes, a análise evidencia que é a partir das perguntas de formatos menos abertos e de formato fechado, ou então do estreitamento sequencial de perguntas de formato aberto para perguntas de formato fechado, que informações acerca dos crimes são alcançadas pelos policiais investigadores. Essas informações são seguidas de justificativas e/ou informações adicionais que podem não apenas ser substanciais para as investigações, como também podem ser usadas em favor da própria inocência dos interrogados. Em relação ao resguardo das informações acerca dos crimes sob investigação, a análise revela que ele pode ser: (1) realizado pelos interrogados em seus turnos de fala responsivos; e (2) oportunizado pelos policiais investigadores em suas perguntas. Os interrogados resguardam os fatos dos crimes ao resistirem ao provimento das informações solicitadas pelos policiais e ao fornecerem respostas não conformativas àquelas tornadas relevantes nas perguntas, cujas ações consistem em declarações de desconhecimento, deslembrança e dessaber, dentre outras. Os policiais oportunizam que informações concernentes aos crimes sejam resguardadas pelos interrogados quando realizam perguntas cuja composição integra verbos de cognição, tais como “saber” e “lembrar”, possibilitando, assim, que os interrogados declarem, em suas respostas, dessaber e/ou deslembrança sem que revelem resistência ou não conformidade em relação à pergunta. A partir desses resultados, reflete-se sobre a interface entre a ciência da linguagem e as ciências jurídicas, bem como sobre as contribuições que este estudo linguístico-interacional tem a oferecer ao contexto de investigação e ao aparato da Análise da Conversa.;
Abstract Questioning and answering are trivial activities in people's lives, either in mundane or institutional talk-in-interaction. This dissertation analyzes sequences of questions and answers, as well as its consequences, in interactional and institutional events constituted by questioning and answering practices: police interrogations. The objective is to investigate, supported by the theoretical and methodological framework of Conversation Analysis (SACKS; SCHEGLOFF; JEFFERSON, 1974), how pursuit vs. preservation of information concerning crimes under investigation occur in police interrogations of three Police stations in Rio Grande do Sul State, Brazil. More specifically, it proposes to analyze and describe the following interactional implications: (1) question formats used by police agents in the pursuit of information concerning crimes; and (2) resources through which interrogated individuals preserve information related to crimes under investigation. The corpus of this study is composed of audio and/or video recordings of ten police interrogations from three Civilian Police stations, collected between April, 2017 and January, 2018. Regarding pursuit of crime facts, the analysis shows that information about crimes is obtained by police agents when they use less open or closed questions, as well as when they switch from open to closed-question sequences. This information precedes justifications and/or additional information, which not only can be substantial for the investigation process, but also can be used in favor of the innocence of the individual being interrogated. Concerning preservation of information related to crimes under investigation, the analysis demonstrates that it can be: (1) carried out by interrogated individuals in their responsive turns; and (2) enabled by police agents due to the question formats they choose. Interrogated individuals preserve crime facts when resisting to provide information requested by police agents and when supplying nonconforming responses concerning answers that are made relevant by the question format, performing actions such as lack of knowledge, forgetfulness and unawareness declarations, among others. Police agents enable information related to crimes to be protected by interrogated individuals when they choose question formats which include cognition verbs, such as “to know” and “to remember”, which makes possible, thus, that interrogated people, in their answers, declare ignorance and/or lack of memory without demonstrating resistance or nonconformity towards the question being answered. Based on these results, the study reflects on the interface between linguistic and legal sciences, as well as on contributions that this linguistic and interactional study has to offer to the investigated context and to the Conversation Analysis framework.;
Palavras-chaves Interrogatórios policiais; Busca de informações acerca de crimes; Resguardo de informações acerca de crimes; Perguntas e respostas; Análise da conversa de base etnometodológica; Police interrogations; Pursuit of information concerning crimes; Preservation of information concerning crimes; Questions and answers; Ethnomethodological conversation analysis;
Área(s) do conhecimento ACCNPQ::Lingüística, Letras e Artes::Lingüística;
Tipo Dissertação;
Data de defesa 2018-08-28;
Agência de fomento UNISINOS - Universidade do Vale do Rio dos Sinos;
Direitos de acesso openAccess;
URI http://www.repositorio.jesuita.org.br/handle/UNISINOS/7341;
Programa Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada;


Arquivos deste item

Este item aparece na(s) seguinte(s) coleção(s)

Mostrar registro simples

Buscar

Busca avançada

Navegar

Minha conta

Estatística