RDBU| Repositório Digital da Biblioteca da Unisinos

Comportamentos de risco para transtornos alimentares em adolescentes da rede de ensino pública de Caxias do Sul, RS

Show simple item record

metadataTrad.dc.contributor.author Donatti, Talita;
metadataTrad.dc.contributor.authorLattes http://lattes.cnpq.br/0284158839306753;
metadataTrad.dc.contributor.advisor Pattussi, Marcos Pascoal;
metadataTrad.dc.contributor.advisorLattes http://lattes.cnpq.br/6214117506681237;
metadataTrad.dc.publisher Universidade do Vale do Rio dos Sinos;
metadataTrad.dc.publisher.initials Unisinos;
metadataTrad.dc.publisher.country Brasil;
metadataTrad.dc.publisher.department Escola de Saúde;
metadataTrad.dc.language pt_BR;
metadataTrad.dc.title Comportamentos de risco para transtornos alimentares em adolescentes da rede de ensino pública de Caxias do Sul, RS;
metadataTrad.dc.description.resumo Introdução: A adolescência é uma fase de transição para avida adulta. É comum que na busca por identidade, os adolescentes se exponham à comportamentos considerados de risco para a saúde, entre eles, comportamentos de risco para transtornos alimentares (CRTA). Objetivos: Identificar a prevalência de comportamentos de risco para transtornos alimentares e; avaliar a validade de construto de escala reduzida de comportamentos de risco para transtornos alimentares em adolescentes. Métodos: Estudo transversal, de base escolar, com 1.750 escolares do ensino público de Caxias do Sul. CRTA foram avaliados através de escala reduzida, composta por 5 itens: “comer compulsivo”, “provocar vômitos” “fazer uso de laxantes”, “fazer uso de diuréticos” e “ficar sem comer ou reduzir exageradamente o consumo”. Foi considerado com CRTA aquele escolar que teve pelo menos 1 destes comportamentos, 1 vez ou mais por semana, nos últimos 3 meses. Consistência interna do instrumento foi medida pelo coeficiente α de Cronbach e a validade de construto do instrumento foi avaliada através das análises fatoriais exploratória e confirmatória. Resultados: Presença de CRTA foi observada em 38,5% (IC95%: 35,2 – 42) da amostra. As prevalências foram maiores no sexo feminino, nas faixas etárias mais elevadas (16 anos ou mais), em escolares que a mãe falava sobre o peso de outras pessoas, que sofrem provocações sobre o peso por parte dos familiares, com maiores índices de massa corporal (IMC), com autopercepção de saúde ruim, com insatisfação de imagem corporal e baixos escores de autoestima. Na validação da escala, a mesma apresentou consistência interna muito boa (α=0,875). A análise fatorial exploratória apresentou o seguinte ajustamento: valor p χ2=0,058, RSMEA=0,036, CFI=0,986, TLI=0,972 e SRMR=0,076, enquanto os valores para a confirmatória foram valor p χ2=0,583, RSMEA<0,001, CFI=1, TLI=1 e SRMR=0,026. Os resultados sugerem que se trata de um instrumento com validade de construto muito boa para investigar a presença de comportamentos de risco para transtornos alimentares em adolescentes. Conclusões: Os adolescentes apresentam diversos fatores associados aos comportamentos de risco para transtornos alimentares e o instrumento utilizado neste estudo apresentou validade de construto muito boa para investigar a presença de comportamentos de risco para transtornos alimentares em adolescentes.;
metadataTrad.dc.subject Transtornos alimentares; Adolescentes; Ensino público; Caxias do Sul;
metadataTrad.dc.subject.cnpq ACCNPQ::Ciências da Saúde::Saúde Coletiva;
metadataTrad.dc.type Tese;
metadataTrad.dc.date.issued 2023-03-17;
metadataTrad.dc.description.sponsorship CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior;
metadataTrad.dc.rights openAccess;
metadataTrad.dc.identifier.uri http://www.repositorio.jesuita.org.br/handle/UNISINOS/12545;
metadataTrad.dc.publisher.program Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva;


Files in this item

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Search

Advanced Search

Browse

My Account

Statistics